No Huddle: NFL 2015 Week 9

João Malha 10 de Novembro de 2015 Análise Jogos NFL, NFL Comentários Desligados
Green Bay Packers vs Carolina Panthers

No Huddle: NFL 2015 Week 9

Green Bay Packers – 29 @ Carolina Panthers – 37

E de repente o mundo parece ter caído em Green Bay. Duas derrotas seguidas contra equipas que não conheciam o sabor da derrota trouxeram os Packers à realidade, mais crua do que se previa. A equipa esteve muito mal há uma semana em Denver, com um ataque inexistente, e durante os dois quartos iniciais da partida em Carolina, nada mudou. Aaron Rodgers não conseguiu mover a sua equipa, Eddie Lacy mantém-se em péssima forma, e são muitas as dúvidas sobre se a equipa pode almejar ao Super Bowl depois de duas péssimas prestações.

O mesmo não se coloca em relação aos Panthers. Liderados por um Cam Newton a jogar ao seu melhor nível na carreira, poucas dúvidas sobram de que esta é uma equipa fortíssima, capaz de chegar ao final da fase regular imbatível pois o seu calendário não é especialmente exigente. Mesmo sem receivers de referência, Newton assombra tanto no passe como em corrida, para além dos seus RB’s que lhe garantem eficácia no jogo ofensivo. E a defesa é o que se sabe, uma das melhores da liga.

O jogo acabou por ter uma ténue hipótese de recuperação no final, mas um passe em desespero resultou em interceção e terminou com a emoção que já não se adivinhava depois de larga vantagem dos Panthers para lá de meio da partida.

Miami Dolphins – 17 @ Buffalo Bills – 33

Tyrod Taylor voltou para assumir o jogo dos Bills e chegou mais uma vitória. Do lado dos Dolphins, o efeito chicotada psicológica parece ter terminado. Mais uma derrota e o regresso à crua verdade de que ainda falta muito aos Dolphins para sonharem com o playoff. Basta olhar para o registo na divisão de 0-4…

St. Louis Rams – 18 @ Minnesota Vikings – 21 (Overtime)

Todos os olhos nos RB, Todd Gurley do lado dos Rams e Adrian Peterson do lado dos Vikings, mas curiosamente as defesas acabam por se impor. Foi um jogo equilibrado com dois outsiders da NFC que começam a merecer outros palcos. Os Vikings levaram a melhor e até já lideram a NFC North mas o jogo ficou marcado pela lesão de Terry Bridgewater, com uma forte concussão que o poderá deixar fora pelo menos no próximo jogo o que poderá ser preocupante.

Washington Redskins – 10 @ New England Patriots – 27

Mais uma vitória sem história… Os Patriots vão esmagando quem lhe aparece pela frente. Neste jogo outra coisa não seria de esperar outra coisa dada o fraco opositor que tinha pela frente. Notícia só mesmo a lesão do RB Dion Lewis, ele que tem sido das principais armas dos Patriots, que não voltará a jogar mais esta época. Poderá um jogo tão irrelevante pôr em causa as aspirações dos campeões para o resto da época?

Tennessee Titans – 34 @ New Orleans Saints – 28 (Overtime)

Os Saints estão próximos de estabelecer um recorde na NFL… do melhor passer rating de sempre dos QB adversários. A sua defesa é tão má que aconselhamos a quem não viu o jogo que pesquise o vídeo do primeiro TD dos Titans, é anedótico, com uma interceção certa a resultar em TD depois de dois defesas dos Saints chocarem e permitirem o TD ao adversário.

Drew Brees está a jogar melhor do que nunca, mas sozinho isso não chega. Nem se pode falar de saudades de Jimmy Graham pois Ben Watson, o seu substituto, tem melhor números que Graham há um ano! Brees faz literalmente milagres. Até um veterano à beira de 35 anos consegue bater todos os recordes de uma carreira graças a quem lhe endossa a bola!

Mas o problema é que a defesa permite tudo aos QB adversários. Marcus Mariota conseguiu o seu melhor jogo na curta carreira, com 4 TD! A semana passada Eli Manning havia conseguido 6 passes para TD e só não valeu a vitória porque Bress conseguiu 7.

Podíamos dizer que a chicotada psicológica poderia ter surtido efeito em Tennessee mas a verdade é que o demérito dos Saints é muito superior a méritos dos Titans. Depois de três vitórias seguidas, os Saints voltaram a perceber que lhes falta muita coisa para poderem voltar a ser a equipa que foram num passado recente. O problema é que Brees não dura muito mais tempo…

Jacksonville Jaguars – 23 @ New York Jets – 28

Os Jets têm feito uma boa época, mas parecem estar a perder gás. Ainda assim conseguiram regressar às vitórias graças também a uns Jaguars que continuam a dar tiros nos pés em momentos decisivos. Não são os Jaguars de antigamente, mas apesar da competitividade, falha ainda na hora H e isso é fatal, mesmo para quem joga na divisão mais fraca da NFL em 2015.

Oakland Raiders – 35 @ Pittsburgh Steelers – 38

Mais um grande jogo, onde tudo esteve em aberto até final. Pensou-se que terminaria em overtime, mas sobre o final os Steelers conseguiram a vitória, apesar da lesão (mais uma) do seu QB Ben Rothlisberger. Landry Jones até entrou bem, mas não é suficiente para aspirações de playoff, pelo que tudo será decidido pelo tempo de paragem de Big Ben.

Antonio Brown esteve fantástico, com 17 receções e 284 jardas. Imagine-se se o QB titular não se tem lesionado…

Os Raiders continuam a demonstrar toda a sua qualidade, com mais um bom jogo cuja vitória escapou por pouco. As suas aspirações de chegar ao playoff são legítimas e já não é possível olhar para esta equipa como um osso fácil de roer. Derek Carr é a estrela que guia a equipa com uma presença super calma no pocket que pode, sem dúvida, conduzir os californianos a novos tempos de glória a médio prazo.

Denver Broncos – 24 @ Indianapolis Colts – 27

E os Colts estão de volta. Ou assim parecem. Foram os primeiros a bater os Broncos e assim reduziram para três equipas o leque de imbatíveis em 2015. Para tal contribuiu decisivamente o acerto de Andrew Luck, naquele que foi certamente o seu melhor jogo em 2015, um ano que tem sido deveras dececionante para o QB dos Colts. Conseguir bater aquela que tem sido a melhor defesa da NFL está só ao nível dos melhores e não há dúvidas que Luck é um deles. Estranho estava a ser a péssima época. Poderá ser este o ponto de viragem.

Sobre os Broncos, é certo que algum dia teriam de perder, à partida, mas num jogo em que a defesa não esteve tão bem como no resto dos jogos, o nível mais baixo de Peyton Manning em 2015 voltou a sobressair. Esteve muito mal no arranque da partida e depois já não conseguiu recuperar o atraso. É certo que a defesa é fortíssima e o ataque muito competente, mas parece claramente que Manning já não vai conseguir chegar ao nível que garante campeonatos. John Elway apostou as fichas todas em 2015 porque era a última oportunidade de conseguir chegar à glória com Manning mas a aposta parece que não vai surtir efeito. Manning terá a última palavra.

Atlanta Falcons – 16 @ San Francisco 49ers – 17

Os Falcons parecem estar claramente em queda. Nova derrota. Novamente contra um adversário menor, depois de há uma semana terem claudicado contra os Buccaneers. E para esta derrota contribuiu decisivamente o conservadorismo do treinador Dan Quinn que optou por um FG em vez de arriscar o 4º down em busca de um TD que dava a liderança. Achou que Blaine Gabbert não conseguiria um first down e os Falcons teriam mais uma oportunidade. Enganou-se. Gabbert mostrou que se tivessem apostado nele mais cedo, no lugar de Colin Kaepernick, talvez a época não estivesse a ser tão dolorosa para os Niners. Gabbert fez um excelente jogo e teve no TE Garret Celek o fiel escudeiro da vitória, ele que ocupou o lugar de Vernon Davis, que foi trocado para os Broncos.

New York Giants – 32 @ Tampa Bay Buccaneers – 18

Jameis Winston continua a melhorar mas a incapacidade na red zone mata as aspirações dos Bucs. Eli Manning até nem esteve brilhante, permitindo duas interceções, mas a sua experiência foi decisiva para a vitória numa noite de chuva na Florida.

Philadelphia Eagles – 33 @ Dallas Cowboys – 27 (overtime)

Já deu para perceber que sem Tony Romo os Cowboys não podem aspirar a nada. A época fica marcada por lesões fatais que retiram quase todas as hipóteses à franquia de Dallas de chegar ao postseason. O jogo pelo chão com Darren McFadden até tem sido eficiente mas sem Romo não dá para mais.

Beneficiaram os Eagles que parecem estar em franca recuperação com DeMarco Murray a voltar a Dallas para um jogo fantástico. A decisão só chegou no tempo extra com Jordan Matthews a decidir após passe de Sam Bradford.

Chicago Bears – 22 @ San Diego Chargers – 19

Uma reviravolta à beira do fim deu a vitória aos Bears num Monday Night Football entre equipas com poucas ou nenhumas aspirações. Jay Cutler parece estar a melhorar com a nova direção técnica em 2015 e isso tem valido algumas vitórias aos Bears. Já Philip Rivers, apesar da derrota, conseguiu mais um extraordinário jogo, mesmo com os seus jogadores a caírem constantemente com lesões que quase o deixam sem opções. No entanto, Rivers consegue sempre avançar com a sua equipa no terreno. Uma grande temporada do QB dos Chargers a merecer a confiança em si depositada com a renovação de contrato.

About The Author

João Malha

Profissional da área de comunicação e marketing, e sempre ligado ao desporto, sempre me fascinou o conceito de showbiz dos norte-americanos no que toca à promoção de qualquer espectáculo desportivo. Quando em 2003, a SportTv transmitiu pela primeira vez o Super Bowl, com estrondosa vitória dos Buccaneers de John Gruden sobre os Raiders, a curiosidade cresceu e ano após anos comecei a seguir as transmissões do maior evento desportivo mundial. Mas como em tudo na vida (pelo menos na minha forma de estar), é preciso um motivo mais forte para nos agarrarmos às coisas. Uma paixão que nos alimenta. E foi isso que aconteceu em 2010, aquando da final de Miami, ganha pelos Saints frente aos Colts do lendário Peyton Manning. Nesse dia senti finalmente que aquela era a minha equipa! E o aparecimento da ESPN America ajudou a não mais largar este desporto espectacular, que sigo semanalmente. Na Week 1 da temporada 2012/2013, cumpri o sonho de ir ver um jogo dos Saints ao vivo, ao Mercedes-Benz Superdome. Não vi os Saints vencerem, mas quem sabe se não terei a oportunidade de dizer que assisti ao primeiro jogo na NFL de um dos maiores QB’s da sua história, Robert Griffin III. Ver os Saints ao vivo foi uma experiência única que me faz olhar para o desporto com outros olhos. Quero saber mais e mais sobre o jogo, a sua história, lendas, regras, tácticas, etc. Let’s play ball!!!!