Drive me Crazy!: E Depois do Adeus

Marco Castro 19 de Agosto de 2015 Drive me Crazy Comments
Super Bowl XLIX

E Depois do Adeus

Ninguém nos prepara para o fim de um Super Bowl. Ninguém nos avisa para os mais de sete meses sem football, onde nenhum touchdown sem ser de arquivo, nenhuma interception, nenhum fumble, nenhum field goal, nenhum fim de tarde de Domingo às 18h00 a fazer-se noite dentro e depois madrugada fora. Restam as outras coisas todas que nos ligam ao jogo, as tags, o combine, o free agency, o draft, os mini e os training camps, mas nada disso suficiente, nada disso capaz de preencher um vazio que fica connosco, pesado, longo, injusto. Ninguém nos prepara para o fim de um Super Bowl, nem para o silêncio que se lhe segue. É o fim de um longo caminho, é o resultado de todas as horas e de todas as expectativas. É como estar a sonhar acordado, tendo o mundo inteiro a testemunhá-lo. É como tocar de facto o céu num momento que só podia ser eterno e que ao esfumar-se, nada mais deixa senão uma enorme saudade. Ninguém nos prepara para o fim de um Super Bowl, muito menos para a hipótese de o perder na condição de fã de uma das equipas. Não é verdade, Seahawks?

PS: estas palavras são um tributo a todos os fãs da NFL, em especial aos da (grande) equipa de Seattle, que nas duas últimas temporadas se mostrou dominante. E agora, que comece tudo outra vez…

Legenda da Foto

A desolação de dois fãs dos Seahawks após a derrota por 24-28 no Super Bowl XLIX frente aos Patriots

About The Author

Marco Castro

Cheguei ao Futebol Americano em 2006. Estava de férias em New Bedford, estado de Massachusetts, quando perguntei a um amigo meu aqui emigrado que me explicasse as regras deste jogo. Perguntei-lhe também qual a equipa dele e como nesta matéria estava a zeros, optei por seguir o seu conselho e dar mais atenção a uns tais de Patriots. No regresso a Portugal, consumei este namoro muito graças ao NASN (mais tarde ESPN America), o canal de desporto americano que existia na TV por cabo. Lembro-me de achar "cool" esses tais de Patriots, com os seus capacetes e calças prateadas e lembro-me igualmente de começar a investigar um pouco mais sobre um certo Tom Brady. Hoje em dia sou um Patriota fanático, (aliás, criei e faço a gestão da página de Facebook Patriots Portugal www.facebook.com/patriotsportugal), coleccionador de todo o tipo de merchandising desta equipa e acima de tudo, sofredor Domingo após Domingo, em frente à televisão, colado ao Gamepass (melhor invenção do homem, depois da roda). No trabalho e entre amigos, sou um pouco visto como "lá vem este com o futebol americano só porque foi aos Estados Unidos". Vivo bem com isso. Aliás, tento explicar-lhes "há mais táctica e estratégia neste jogo, do que nas outras modalidades todas juntas" e acrescento "é um jogo espectacularmente justo". Nada os demove a eles, mas também nada me demove a mim! Razão pela qual continuarei a alimentar esta minha paixão Patriota e o sonho de um dia, assistir a um jogo em pleno Gillette Stadium (já lá estive, mas o preço dos bilhetes adiou-me a sua concretização). Se num destes dias os Patriots vencerem o 5º SuperBowl, já sabem, podem encontrar-me a festejar (provavelmente sozinho, ou talvez não) em pleno Marquês de Pombal!