A Hora das Renovações

João Malha 9 de Março de 2015 Jogadores, NFL Comments
Marshawn Lynch

A Hora das Renovações

Ao longo dos últimos dias têm sido vários os jogadores cortados das suas equipas. O cap space de cada franquia a isso obriga. E obriga para que muitas vezes se possam renovar contratos com alguns dos mais importantes jogadores. É caso para dizer que depois da tempestade vem a bonança, ou depois dos cortes (que por certo continuarão) vêm as renovações.

Marshawn Lynch

Foi um fim-de-semana rico em novos contratos, que começou logo com um dos mais importantes desta liga, Marshawn “The Beast” Lynch. O running back dos Seattle Seahawks renovou por mais dois anos o seu contrato com os finalistas vencidos do último Super Bowl e ex-campeões, ficando assim com um contrato com a duração de três anos e 31 milhões de valor total. Depois de muito se ter falado de Lynch poder terminar a carreira, é uma excelente notícia saber que continuaremos a poder assistir às suas cavalgadas imparáveis por mais uns anos. E já agora, a entrevista que no mínimo poderemos apelidar de insólitas.

Mark Ingram

Outro running back de quem muito se falava nos últimos dias, com analistas vários a tentar adivinhar onde melhor encaixaria numa nova equipa, era Mark Ingram. O Heisman Trophy 2009 irá continuar em New Orleans com os Saints, equipa que o escolheu na primeira ronda do draft de 2011. Sean Payton, técnico dos do Louisiana, havia dito que queriam manter o RB, mas o facto de serem a equipa com maior cap space negativo e a presumível vontade de Ingram testar o mercado para ver o que poderia ganhar se fosse um jogador livre, não faziam prever este desfecho, pelo menos antes do início oficial da nova época já na próxima terça-feira.

É sem dúvida uma óptima notícia para Payton e para os fãs dos Saints que assim seguram o seu melhor RB, que levou vários anos a confirmar os créditos com que vinha do College, mas que foi uma das grandes referência do ataque da formação da Big Easy em 2014, com quase 1000 jardas e 9 TD’s. O contrato terá a duração de quatro anos e um valor total de 16 milhões de dólares.

Randall Cobb

Seguindo o ritmo das renovações, Randall Cobb também chegou a acordo com os Green Bay Packers para se manter como destinatário dos passes de Aaron Rodgers. Quatro anos e um contrato de 40 milhões convenceram Cobb a manter-se no Wisconsin, apesar de rumores indicaram que Cobb recebeu ofertas superiores. Mantém-se a dupla de receivers preferida de Rodgers, composta por Cobb e Nelson, pelo que o ataque dos Cheese Heads continuará temível!

Devin McCourty

Mas nem só de jogadores de ataque se fez o fim-de-semana. No lado defensivo, o grande destaque vai para a renovação de Devin McCourty, o safety dos campeões New England Patriots, que viu ser-lhe oferecido o chorudo contrato de cinco anos no valor de 47,5 milhões de dólares. Agora a questão é: haverá dinheiro para Darelle Revis? O Cap Space dos Patriots era dos mais difíceis de gerir, apenas superado pelos Saints, pelo que para manterem o CB, muita ginástica financeira terá de ser feita por Kraft e Bellichick nas próximas horas.

Brandon Flowers

Outra das renovações do fim-de-semana foi a do Cornerback Brandon Flowers que chegou a acordo com os San Diego Chargers para se manter na Califórnia, num contrato de 36 milhões de dólares por quatro anos. Depois de Kareem Jackson ter renovado com os Texans, dos três top cornerbacks que supostamente iriam atingir a Free Agency, apenas sobra o 1º deste ranking, o ex-Seahawks, Byron Maxwell, que poderá assinar pelos Eagles ainda antes da abertura do mercado. São de esperar novidades nas próximas horas.

Mark Sanchez

Nota final para outras duas renovações de última hora, a do QB Mark Sanchez, com os Philadelphia Eagles, que se falava poderia voltar a jogar sob as ordens de Rex Ryan, agora nos Bills. A permanência de Sanchez na cidade da fundação dos EUA levanta agora a dúvida sobre se Chip Kelly manterá Foles como opção #1 ou se optará por tentar assegurar Mariota no draft para lutar com Sanchez pelo posto de QB titular da franquia da Pensilvânia. A outra foi a do Tackle dos Cowboys, Doug Free, um dos responsáveis pela guarda de honra que permitiu a Tony Romo uma época de quase sonho.

About The Author

João Malha

Profissional da área de comunicação e marketing, e sempre ligado ao desporto, sempre me fascinou o conceito de showbiz dos norte-americanos no que toca à promoção de qualquer espectáculo desportivo. Quando em 2003, a SportTv transmitiu pela primeira vez o Super Bowl, com estrondosa vitória dos Buccaneers de John Gruden sobre os Raiders, a curiosidade cresceu e ano após anos comecei a seguir as transmissões do maior evento desportivo mundial. Mas como em tudo na vida (pelo menos na minha forma de estar), é preciso um motivo mais forte para nos agarrarmos às coisas. Uma paixão que nos alimenta. E foi isso que aconteceu em 2010, aquando da final de Miami, ganha pelos Saints frente aos Colts do lendário Peyton Manning. Nesse dia senti finalmente que aquela era a minha equipa! E o aparecimento da ESPN America ajudou a não mais largar este desporto espectacular, que sigo semanalmente. Na Week 1 da temporada 2012/2013, cumpri o sonho de ir ver um jogo dos Saints ao vivo, ao Mercedes-Benz Superdome. Não vi os Saints vencerem, mas quem sabe se não terei a oportunidade de dizer que assisti ao primeiro jogo na NFL de um dos maiores QB’s da sua história, Robert Griffin III. Ver os Saints ao vivo foi uma experiência única que me faz olhar para o desporto com outros olhos. Quero saber mais e mais sobre o jogo, a sua história, lendas, regras, tácticas, etc. Let’s play ball!!!!