A View From the Bay: Who’s next?

Hugo Taxa 29 de Novembro de 2015 Equipas NFL, NFL Comentários Desligados
1429497034_11127878_819702231398408_3015258799413952065_o

Who’s next?

No dia a seguir à passagem surpresa de Colin Kaepernick para IR, Trent Baalke mostrou-se surpreso com a interpretação generalizada que essa movimentação significa o fim de Kaepernick em San Francisco. Baalke, na temporada passada, também se mostrou surpreso quando os rumores de que Jim Harbaugh estaria de saída no final da temporada surgiram, e todos sabemos o que se passou …

Entretanto começaram a surgir rumores que Jim Tomsula poderá não continuar como treinador principal … com Kaepernick fora de cena é natural que comecem a surgir mais rumores sobre outros elementos da estrutura, no sentido de evitar que a pressão recaia nos verdadeiros responsáveis – Baalke e Jed York. Resta acompanhar o desenrolar das 6 semanas em falta para perceber quantos nomes da lista que aqui deixei à umas semanas atrás ainda irão “saltar” …

Para já, a seguinte foto do plantel do ano transacto – onde estão marcados os jogadores que já não estão com a equipa – não deixa de ser reveladora:

 

- em 53 jogadores de active roster, 41 já não estão na equipa …

A verdadeira questão para a entrada da semana 11 era constatar como é que Gabbert – jogando pela primeira vez como QB em Seattle – se comportava. O score de Kaepernick em Seattle é francamente negativo, 0-3 (0-4, contando com a final de conferência de 2014), evidencia da sua dificuldade em lidar com o ruído e com a defesa dos Seahawks:

Ano Jogo Cmp Att Cmp% Yds TD Int QB Rate Rsh Att Rsh Yds Rsh TD
2012 – RS SF,13-SEA,42 19 36 52,80% 244 1 1 72.0 7 31 0
2013 – RS SF,3-SEA,29 13 28 46,40% 127 0 3 20.1 9 87 0
2014 – PO SF,17-SEA,23 14 24 58,30% 153 1 2 56.4 11 130 0
2014 – RS SF,7-SEA,17 11 19 57,90% 141 0 0 81.2 9 46 0

Uma média de 14 passes completos em 27 tentados, para 166 jardas, 1TD e 2 INT por jogo, para um QB Rating equivalente de 52.4. A média de jardas em corrida por jogo é elevada – 74 – mas inconsequentes, pois não conseguiu nenhum TD em corrida.

Será que Gabbert conseguiria apresentar um registo superior?

Sem placar é difícil

Jogo em Seattle que não seja contra 19 (11 jogadores + o público (1) + a equipa de arbitragem (7)) nem é jogo, e este, para variar, não fugiu à regra. No entanto, neste caso nem se pode verdadeiramente dizer que a arbitragem tenha sido decisiva: aquilo que tornou a tarefa de sair do Century Link Field com uma vitória algo de impossível foi o facto da defesa de corrida dos 49ers ter ficado em San Francisco … ou coisa que os valha …

O mais impressionante é que isso aconteceu precisamente depois de a defesa dos 49ers ter estado particularmente bem contra os Falcons, que apresentavam o leading rusher da liga. Temo que a semana de Bye tenha feito mais mal que bem a San Francisco.

Já se sabe que os Seahawks são uma equipa muito forte fisicamente, sendo que qualquer equipa que se furte ao contacto físico, está efectivamente a desistir de ganhar. Portanto, quando na terceira jogada de Seattle, Tramaine Brock tentou bloquear Thomas Rawls com os olhos, viu-se logo que ia ser uma tarde muuuuuuuuuuuuito longa. Quatro jogadas depois, Russel Wilson faz um passe descaído para o lado direito, Jimmie Ward fica nas covas e Locket marca um TD fácil. Na drive seguinte de Seattle, o front-seven dos 49ers continuou a demonstrar uma enorme apatia, em especial em corridas pelo meio, com Ahmad Brooks a chegar sistemáticamente atrasado, ou a desinteressarem-se da jogada quando Wilson era obrigado a sair do pocket. A drive terminou com uma corrida de Rawls para TD, arrastando Tony Jerod-Eddie para dentro da end-zone. Pelo meio, uma placagem de Jaquiski Tartt – está a revelar-se um bom Strong Safety – a Jimmy Graham que o fez retroceder 2 jardas, e uma lick de Eric Reid a Doug Baldwin impedindo-o de marcar touchdown. O problema é que não podem ser só dois jogadores em 11 a placar!

Na primeira drive do segundo quarto, Wilson faz um curto para o meio, e Tyler Lockett, após receber o mesmo, desembaraça-se facilmente de Kenneth Acker, e rodeado por 3 jogadores dos 49ers – Reid, Tartt e Dontae Johnson, já contagiados pela apatia geral – consegue marcar quase sem ser tocado. Mas desaprenderam a placar?

Após um 3-and-out do ataque dos 49ers, Bradley Pinion faz um punt de 60 jardas. Tyler Lockett, sem sinalizar Fair Catch, recebe o mesmo e é imediatamente placado com violência por Quinton Patton. É assim que se placa! Mais eis que voa uma flag, e uma INACREDITÁVEL falta por Unnecessary Roughness é marcada a Patton, oferecendo 15 jardas a Seattle, e permitindo-lhes começar a drive da sua linha de 40 jardas. Os comentadores de serviço, Chris Myers e Ronde Barber não vislumbraram qualquer motivo para a falta … apenas porque não ele não existe! Só para efeitos de comparação, no jogo da semana 7 em San Francisco, num punt no quarto período e apesar de Reggie Bush ter sinalizado a Fair Catch, Ricardo Lockette placa Reggie

Bush e os árbitros nada assinalam. Aqui, sem sinalizar, e com uma placagem dura mas limpa, lá veio a flag “caseira” do costume …

Se a defesa dos 49ers já estava com muitas cerimónias para placar, depois desta jogada, ficou óbvio que não se podia “bater nos meninos”, e no resto do jogo a defesa dos 49ers limitou-se a não desobedecer a esta “nova regra”, não fossem por lá ser penalizados outra vez. O resultado final é miserável, com Thomas Rawls a conseguir correr para mais de 200 jardas – 209, para ser exacto – algo que nenhum outro jogador tinha conseguido.

A new hope…

E quanto a Gabbert? Os seus números finais, embora nada assombrosos, conseguem mesmo assim ser superiores à media de Kaepernick: 22 para 34, 264 jardas e 1 TD, aos quais acrescem 22 jardas em 4 corridas, para um rate de 98.2. Num jogo, onde rápidamente se viu com 3 scores de diferença, a forma como Gabbert pegou na bola na sua linha de 8 jardas e em 11 jogadas conseguiu levar os 49ers a um TD no final da primeira parte foi impressionante. Destacam-se nesta drive as três últimas jogadas, que renderam 46 jardas: um passe pelo buraco da agulha para Anquan Boldin de 17 jardas (que jogou bastante condicionado devido a uma lesão na perna); uma scramble de Gabbert para 10 jardas; e um passe de 19 jardas para TD para Vance McDonald, seu primeiro TD na NFL. No início do terceiro período, após os 49ers conseguirem o único 3-and-out a Seattle, Gabbert dirigiu uma drive onde os 49ers ganharam 56 jardas, mas que infelizmente “empancou” na linha das nove jardas de Seattle e rendeu apenas 3 pontos. Nesta drive Gabbert teve hipótese de demonstrar o seu atleticismo, ao escapar a Michael Bennett “ligando o turbo”, quando Bennett já estava literalmente em cima de Gabbert. Após um field-goal de Seattle, os 49ers voltaram a pegar na bola, e conquistaram 61 jardas em 11 jogadas, mas uma vez mais quedaram-se por um field-goal, deixando o score em 13-23, à entrada para o último período. Seattle agarrou na bola e Thomas Rawls voltou a contar com a displicência da defesa dos 49ers, para marcar mais um TD, e a partir daí o jogo estava definido.

De registar o facto de, pela primeira vez em muito tempo a jogar em Seattle, San Francisco ter menos penalties de False Start que os Seahawks – o que não deixa de ser um sinal de um maior controlo da linha/cadência por parte do QB dos 49ers, bem como sinal de maior concentração da linha.

O que se segue?

San Francisco tem agora duas oportunidades para evitar a dúbia distinção de não conseguir ganhar nenhum dos seus embates divisionais pela primeira vez desde 1978.

Nesse ano, o primeiro com uma época regular de 16 jogos, os 49ers tinham como parceiros de divisão os Los Angeles Rams, os Atlanta Falcons e os New Orleans Saints, e terminariam a temporada com o score de 2-14. O lendário Bill Walsh tornar-se-ia o treinador da equipa no defeso seguinte, dando o pontapé de saída para o início da época gloriosa dos 49ers, mas não me parece que a equipa tenha algum génio em vista para assumir o controlo da equipa já a partir de Janeiro …

About The Author

Hugo Taxa

Em meados da década de 80, e após ver vários episódios do "Eight is enough" na televisão (onde o filho mais novo aparecia no genérico com um capacete dos 49ers) tornei-me fã dos 49ers. A partir de 1990 tive a sorte de ter um vizinho de origem americana que recebia a Sports Illustrated, e que me dava as revistas após acabar de ler as mesmas. Segui assim as temporadas de 90, 91 e 92 pelas revistas (com de cerca de 3 meses, entre o jogo acontecer e eu ler a crónica sobre o mesmo na revista) até ver o meu primeiro Super Bowl na SIC em 1993, em directo. Tinha um teste na terça-feira seguinte, mas a antecipação era tanta que não me consegui concentrar no estudo durante o fim--de-semana ... e chumbei - tive que ir a exame!

Em 1996 acedi ao meu primeiro site na internet - espn.com. O objectivo era apenas seguir a NFL; e com o aparecimento da DSF no alinhamento da TV Cabo finalmente comecei a ver a Regular Season na TV - com comentários em Alemão!
20 anos depois me ter estreado a ver Super Bowls, acho que me posso gabar de apenas ter perdido o de 2000, e de ter visto em directo alguns dos momentos emblemáticos da NFL: Dan Marino a obter o recorde de jardas; Barry Sanders e Terrell Davis a correrem para 2000 jardas; Emmitt Smith a quebrar o recorde de Walter Payton; John Elway a "fazer de helicóptero" para ganhar o seu primeiro Super Bowl; e o melhor jogador de sempre - Jerry Rice - a dinamitar defesas adversárias.
A NFL pauta-se pelo equilíbrio, o que se traduz em todas as equipas terem os seus momentos altos e baixos. No entanto, mesmo em épocas difíceis como 2003 ou 2004 a fé nunca esmorece - 49ers Faithful!

barbour pas cher barbour pas cher barbour pas cher barbour pas cher barbour pas cher golden goose saldi golden goose saldi golden goose saldi golden goose saldi golden goose saldi doudoune moncler pas cher doudoune moncler pas cher doudoune moncler pas cher doudoune moncler pas cher doudoune moncler pas cher moncler outlet online moncler outlet online moncler outlet online moncler outlet online moncler outlet online