NFL Practice Squad

Paulo Pereira 29 de Agosto de 2015 Outros, Playbook Comments
NFL Practice Squad

NFL Practice Squad: Sabem O Que É?

Practice squad? Quantos de vocês já deram de caras com este termo e ficaram a pensar o que seria? Bem, como o próprio nome indica, é isso mesmo. Um mini-roster de treino. “Ajudaste imenso, ó cromo”, pensarão agora. “Não, não ajudei… mas pretendo fazê-lo. Sou assim, um tipo altruísta”.

Não sou um expert em practice squad, mas poderei elucidar algumas dúvidas residuais. Sobretudo porque, nestas infindáveis horas de training camps e jogos da preseason, dei por mim a pensar quanto ganhará um jogador que aí encontre abrigo. Vai daí, goggle a funcionar e a tirar dúvidas. É normal, sobretudo para quem acompanha o Hard Knocks, criarmos empatia com alguns rookies, ou undrafted players, que tentam desesperadamente fazer parte do roster final, dos 53 eleitos. E, quando chega o cut day e vemos que um jogador por quem nutríamos um sentimento de afeição, foi cortado, tentamos sempre perceber o que poderá acontecer de seguida. A vida profissional não se esgota ali, naquele momento em que o staff técnico lhes comunica que não pretendem continuar a contar com os seus serviços. As saídas, depois disso, dependem sempre das necessidades das outras equipas, que podem querer colmatar uma baixa por lesão com mais um jogador. Em alternativa, há o “outro” futebol. Aquele jogado dentro duma arena, ou pavilhão, que tem o mérito de os manter em competição e sob escrutínio de alguns scouts. Podem também fazer as malas e atravessar a fronteira, para o Canadá e a sua liga de futebol. Competição interessante, mas cultivando um pouco o ambiente doméstico, costuma ser porto de abrigo para muitos jogadores saídos do college. Ou, procurando não fugir muito ao tema, temos as practice squad, regulamentadas de acordo com o CBA de 2011.

Salário dos Jogadores da Practice Squad

Antes do início da temporada de 2014, o número de jogadores permitidos na practice squad subiu de 8 para 10, criando mais alguns postos de trabalho na liga. Este ano, o salário mínimo estipulado para cada jogador é de 6.600 USD semanais. As contas são fáceis de fazer, se existisse uma uniformização, ou seja, se todos os elementos da practice squad auferissem o mesmo. Os 6.600 USD são devidos por 17 semanas, o que dá uma quantia de 112.200 USD. Se todos ganhassem a mesma importância, a equipa teria que despender 1.122.000 USD em salários. Mas, se estiveram atentos ao parágrafo anterior, nem todos ganham os 6.600 USD semanais. Isso é o mínimo. Algumas equipas, por acreditarem que um determinado jogador tem potencial, e com receio do mesmo poder ser contratado (já vamos elucidar esta parte) por outra franquia, colocam-lhe um salário bem mais convidativo, muitas vezes equivalente ao elemento que menos ganha, no roster oficial.

Transferências Entre Equipas

Qualquer jogador que esteja na practice squad é livre de, a qualquer momento, negociar ou aceitar as condições com outra equipa. Exemplificando: Os Jets colocam Johnny Smith na practice squad. Mas os Patriots, que vêm enorme potencialidade no jogador, resolvem oferecer-lhe um contrato. Este contrato, se aceite pelo atleta, obriga à sua futura permanência no roster principal dos Patriots. Ou seja, não é possível contratar um jogador da practice squad de uma equipa e colocá-lo noutra practice squad. Estas possibilidades de contratação obedecem, no entanto, a alguns parâmetros rígidos. Não é possível, por exemplo, ir contratar um QB (ou RB ou outra posição) a uma practice squad, quando no Domingo seguinte se vai jogar contra essa mesma equipa. Tem que existir um hiato de 6 dias antes da efectivação do contrato. Exemplificando novamente: Os Texans jogam no Domingo contra os Ravens. Pretendem contratar o QB da practice squad dos Ravens. Podem fazê-lo apenas na 2ª feira antes do jogo, respeitando os 6 dias requeridos por lei. Depois disso, está-lhes vedado o acesso até à realização da partida. Depois desta se efectuar, podem contratar o jogador. É apenas mais uma forma de proteger a integridade do jogo, não permitindo a mais leve suspeição ou ganho de vantagem por parte de uma equipa, em relação a outra. Americanices…mas que poderiam tão bem ser copiadas por outras competições, por esse Mundo fora.

Dispensa da Practice Squad

Se um jogador for dispensado da practice squad, durante a temporada, o salário pago semanalmente contará como dead money para o salary cap. Logicamente que se fala de valores não muito elevados, mas que obrigarão sempre a franquia a respeitar as regras vigentes. Da mesma forma que, se um jogador for contratado por outra equipa, para o roster de 53 elementos, terá sempre garantido 3 semanas de salário, mesmo que seja dispensado logo nos primeiros dias. Também aqui existem repercussões para o salary cap, com as 3 semanas de salário obrigatório a contarem como dead money.

Elegibilidade

Em questões de elegibilidade para a practice squad, as regras são claras. Pretende-se desenvolver jogadores, o que coloca logo à partida um veterano de fora da equação. E, no fundo, é isto. O último reduto de esperança, a practice squad mantém por perto alguns potenciais talentos, ajudados a desenvolver pelo mesmo staff técnico do roster. É um cordão umbilical que, no entanto, mantém esses mesmos jogadores numa espécie de limbo, equipando-se diariamente…menos no dia mais importante: o Domingo!

About The Author

Paulo Pereira

O meu epitáfio, um dia mais tarde, poderá dizer: “aqui jaz Paulo Pereira, junkie em futebol americano”. A realidade é mesmo essa. Sou viciado. Renascido em 2008, quando por mero acaso apanhei o Super Bowl dos Steelers/Cardinals, fiz um reset em [quase] todos os meus dogmas. Aquele desporto estranho, jogado de capacete, entranhou-se no meu ADN, assumindo-se como parte integrante da minha personalidade. Adepto dos Vikings por gostar, simplesmente, de jogadores que desafiam os limites. Brett Favre entra nessa categoria: A de MITO.