Up & Down NFL: Week 6

Pedro Nuno Silva 19 de Outubro de 2012 Up & Down Comments
Up&Down - Week 6

Up&Down – Week 6

Up

Baltimore Ravens (5-1)

As notícias de lesões graves no coração da defesa dos Baltimore Ravens faziam antecipar grandes dificuldades para que a equipa de Maryland conseguisse repetir, em 2012, o percurso de 2011, que quase os colocou no Super Bowl de Indianapolis, não fosse o desgraçado falhanço do kicker Billy Cundiff, num field goal faciíimo de 31 jardas e a 11 segundos do fim do jogo contra os New England Patriots, em pleno Gillete Stadium. E se já sabiam que não contariam com Terrell Suggs em boa parte desta época, acabam de saber que o seu grande capitão Ray Lewis também não vai jogar mais este ano. Ainda assim o carácter da equipa de John Harbaugh bem liderada no ataque por um (finalmente) indiscutível e consistente Joe Flaco, têm chegado para levar a equipa a uma liderança, por agora, folgada da sempre complicada AFC North (basta lembrar que, na época passada, 3 das 4 equipas desta divisão chegaram aos playoffs). Mas não se pode perder de vista que, com excepção do jogo de abertura com os Cincinnati Bengals, as restantes vitórias de Baltimore foram alcançadas com resultados apertadinhos (5 ou menos pontos de vantagem). Já tínhamos ficado com imagem das tremendas dificuldades que a equipa teve para bater os Chiefs na semana 5 (9-6), especialmente, pelas inesperadas dificuldades em conter o jogo corrido adversário. Pois bem, esse facto repetiu-se no jogo com os Cowboys. E assim os Ravens somaram mais de 360 jardas em corrida consentidas nos 2 jogos. Este é um ponto que têm de melhorar e muito nesta semana. É que vêm aí os Houston Texans de… Arian Foster.

Seattle Seahawks (4-2)

Quem diria, hein! A NFC West, o reino absoluto dos San Francisco 49ers. A pior divisão da NFL! Afinal o sapo transformou-se, sabe-se lá como, mas sabe-se lá por obra de quem, numa das mais excitantes e fortes divisões da liga. O mérito tem de ser dado a equipas como os Arizona Cardinals e, sobretudo, aos fantásticos Seattle Seahawks. E nem pensem que os distinguimos pela vitória fantástica sobre os New England Patriots ou pelo repertório mágico do QB Russell Wilson. Os méritos da equipa de Pete Carroll começam, desde logo, na defesa que apresenta números impressionantes: a 2ª melhor da liga em pontos sofridos por jogo e em jardas consentidas no jogo corrido e a 4ª defesa da NFL em total de jardas sofridas.

Colados aos Cardinals e aos San Francisco 49ers na liderança da NFC West, os “Hawks” são um caso sério e fascinante de uma equipa underdog que tem tudo para fazer frente aos melhores. Tom Brady que o diga!

Green Bay Packers (3-3)

Tem sido uma época incaracterística para os Green Bay Packers. O registo da equipa revela uma irregularidade perfeita de derrota-vitória-derrota-vitória-derrota-vitória, num zigue-zague de quente e frio que ainda vai acabar por gripar o ânimo dos sempre alegres adeptos dos Packs. Esta semana era a vez da vitória! E que vitória! Em pleno Reliant Stadium, Aaron Rodgers e companhia não estiveram de modas e impuseram uma categórica derrota e logo a primeira, aos Houston Texans (42-24). E Rodgers foi absolutamente imperial: 24/37, 338 jardas e 6, repito, 6 TD’s. Mas será que já temos mesmo equipa?

Down

Pittsburgh Steelers (2-3)

Não está nada perdido! Mas perder em Nashville contra uns inócuos Tennessee Titans é tudo menos coisa de equipa candidata ao título. E chegar à semana 6 com um registo negativo e, pior do que isso, ver os seus rivais de morte Baltimore Ravens (5-1) no comando da divisão com 5 vitórias de vantagem, deve deixar bem preocupado Mike Tomlin e os seus rapazes. O jogo desta semana com os Cincinnati Bengals começa a assumir contornos de decisivo para os Steelers. Uma derrota no Ohio deixaria os Steelers mais próximos da pior equipa da NFL, os Cleveland Browns (1-5), do que do lugar que legitimamente procuram ocupar todos os anos: a liderança da AFC North e uma vaga nos playoffs

San Diego Chargers (3-3)

A época até parecia estar a correr benzinho a Philip Rivers e ao seu treinador Norv Turner, mas… Por favor!!! A ganhar por 24-0 ao intervalo, conseguem perder por 35-24?!?!?! Que terramoto! Isso mesmo, o terramoto da segunda parte do jogo da madrugada da passada 3ªfeira às mãos dos Denver Broncos de Peyton Manning foi um épico para a história da NFL: pela primeira vez nos anais da liga, uma equipa a perder por mais de 20 pontos ao intervalo, consegue ganhar o jogo por mais de 10 pontos! Ok! Podíamos ver a coisa pelo lado positivo e dar um grande UP aos Denver Broncos, mas, apesar de todo o mérito que estes tiveram na reviravolta do resultado, a mesma só foi possível pelo tremendo trambolhão dos “Bolts” no 3º e 4º período: 5 TD’s sem resposta, 1 em resultado de um intercepção e outro de um fumble a que se somam mais 3 intercepções, 2 fumbles e 4 sacks… C’Mom Man!!! Dizia-se que Norv Turner era, tal como Andy Reid nos Philadelphia Eagles e Jason Garret nos Dallas Cowboys, um treinador numa hot seat! Pois este fim-de-semana deve ter ficado com os fundos das calças feitos num grande buraco! Incrível!

San Francisco 49ers (4-2)

Os nosso leitores devem achar que, por aqui no blog, não sabemos bem o que queremos. Há uma semana eram bestiais, esta semana são umas grandessíssimas bestas. Mas nós que vimos o jogo dos San Francisco 49ers contra os New York Giants ficamos simplesmente horrorizados com a sucessão de disparates do ataque da casa. E num jogo em que Eli Manning teve registos bem modestos para o que lhe é habitual no QB dos G Men (15/28, 193 jardas e 1 TD), conseguir, mesmo assim, ganhar por uns claros 26-3, só pode ter uma explicação: a defesa dos Giants cilindrou o ataque dos 49ers! Olhamos os registos e, pimba!, lá está: 3 intercepções (2 do Safety Antrell Role) e 6 sacks (2 deles do magnífico defensive end Jason Pierre-Paul) contam toda a história do jogo E aqueles que diziam que os Giants só ganharam o NFC Championship Game da época passada, também jogado em San Francisco, por causa das azelhices de Kyle Williams no final do jogo, devem ter saído mudos e calados do Candlestick Stadium, a pensar que os Giants não são só a besta negra dos New England Patriots

About The Author

Pedro Nuno Silva

Português. Duriense de nascimento. Tripeiro de coração. Minhoto por adopção. Numa palavra: nortenho. Ou seja, tinha tudo para ser um ignorante sobre futebol americano. Mas a 2 de Fevereiro de 2009 tudo mudou graças a cerca de 2 minutos de um jogo que era até aí um mistério insondável! Os culpados? Todos os jogadores dos Steelers e dos Cardinals. Mas, em particular, Ben Roethlisberger e Santonio Holmes e aquele touchdown a 30 segundos do final do jogo num equilíbrio improvável e que desafiou as leis da física e se pode colocar ao lado de um qualquer volteio do mais virtuoso bailarino do Bolshoi. A paixão pelo jogo cresceu de tal forma que hoje olho à minha volta e acho estranha tanta algazarra por causa das vitórias do F.C.Porto, da nossa seleccção ou das birras do CR7. Definitivamente tornei-me num alien em pleno coração do Alto Minho!