Week 8 – Wrap Up

João Malha 27 de Outubro de 2014 Análise Jogos NFL, NFL Comments
green-bay-packers-new-orleans-saints

Week 8 – Wrap Up

Nós bem avisamos que este fim-de-semana ia ser repleto de motivos de interesse e que o difícil seria escolher o jogo da semana. E os jogos que destacamos foram sem dúvida aqueles que mais agarraram os fãs à TV, com exceção ao jogo dos Patriots, que sovaram os Bears, claramente em fase descendente, apesar do magnífico leque de receivers de que dispõe. Convinha era terem um quarterback à altura…

Green Bay Packers @ New Orleans Saints – The No Punt Game

É preciso recuar a 1992 para encontrar um jogo sem qualquer punt (e antes disso apenas tinha existido outro… curiosamente, também com os Packers em jogo). Pois essa foi uma realidade ontem, num jogo de ataque constante, com muitos pontos e com os Saints a mostrarem que afinal conseguem jogar ao nível que muitos prognosticaram na preseason, como um verdadeiro contender.

Para tal, foi preciso não só contar com Brees a fazer o seu melhor jogo esta temporada, com três passes para TD, mas também com Jimmy Graham, mesmo limitado do seu ombro, a aparecer no momento decisivo e o wide receiver Brandin Cooks a somar dois TD’s e a mostrar que pode ser o rookie do ano. Isto para não falar de Mark Ingram, que recuperado de uma mão partida, voltou a fazer um tremendo jogo, à imagem do que tinha feito no arranque da temporada, dando outras possibilidades ao ataque dos black&gold.

Mas se foi preciso ter o ataque a um nível demolidor, também foi necessário que a defesa desse um importante passo a conseguir duas interceções e um fumble recovery. O dobro das intercecões que Rodgers tinha permitido até ao momento na temporada, dado que tirando na estreia em Seattle, nunca mais havia atirado a bola para os adversários. O improvável Corey White assumiu-se a esse nível como o protagonista, ao conseguir uma das interceções e ao provocar a outra que terminou nas mãos de Hawthorne. Até ao terceiro período, o jogo seguia taco-a-taco, marcava uma equipa marcava a outra, até Aaron Rodgers ter sofrido uma contratura muscular numa corrida que lhe valeu um first down na red zone, mas que saiu muito caro pois a sua mobilidade ficou muito limitada e segundos depois dava-se a primeira interceção. Daqui para a frente Rodgers nunca mais foi o mesmo, ele que tinha conseguido números impressionantes no primeiro período, com mais de 200 jardas de passe.

Com Jordy Nelson muito apagado, foram Randall Cobb e principalmente Eddy Lacy, os grandes protagonistas dos Packers. Lacy parecia um touro enraivecido, que quebrava tackles e levava os adversários às costas. Um jogo impressionante mas que acabou por não chegar para o triunfo.

Os Saints ficam muito próximos da liderança da NFC South (divisão onde nenhuma equipa somava um triunfo desde dia 5 de outubro!). Na quinta-feira, os Saints viajam até à Carolina do Norte num jogo que poderá ser fundamental para as contas desta divisão. A formação do Louisiana não tem muito a perder pois uma derrota (já vão numa série de sete derrotas seguidas fora de casa na regular season) volta a atrasar a equipa mas não a afasta da luta, enquanto uma vitória poderá lançar em definitivo a formação de Sean Payton rumo aos playoffs.

Já os Packers viram fugir os Lions (com mais uma vitória à beira do fim, mas já lá vamos) mas continuam com todas as possibilidades de vencer a NFC North ou mesmo chegar aos playoffs via wild-card, o que aconteceria se a época terminasse hoje.

Seattle Seahawks @ Carolina Panthers – Wilson & Wilson Decidem

Não foi o mais espetacular dos jogos, sem qualquer TD até ao último minuto. Sem surpresa, não estivéssemos nós perante duas das melhores defesas da NFL. Mas se isso é fundamental para se vencerem campeonatos, acaba por ser mesmo o ataque, muitas vezes, a ganhar os jogos. E foi uma sociedade de Wilsons que resolveu a contenda no último minuto. Russel Wilson encontrou Luke Wilson na end zone e colocou os campeões em vantagem nos últimos segundos.

Depois de duas derrotas consecutivas, os Seahawks regressam aos triunfos e à luta pelo acesso aos playoffs. O jogo não convence, depois de um arranque extraordinário, o gás parece estar nos níveis mínimos e a saída de Percy Harvin terá dividido a equipa, com uma das referências da equipa, Marshawn Lynch a revelar insatisfação. Do lado contrário, os Panthers vão-se aguentando na liderança da NFC South mas com registo negativo e, como já referimos, a ter um jogo fundamental esta quinta-feira, ao receberem os Saints.

Baltimore Ravens @ Cincinatti Bengals – Until the Fat Lady Sings…

Quem viu a formação dos Ravens a festejar efusivamente o pontapé de Justin Tucker, que colocava os de Baltimore na frente do jogo, após uma desvantagem de 11 pontos, parecia fazer crer que tudo estava decidido, a menos de quatro minutos do fim. Mas Andy Dalton (que com uma interceção e um fumble permitiu a referida recuperação aos rivais divisionais) rapidamente assumiu a responsabilidade e limpou as asneiras anteriores. Um passe de mais de 50 jardas para Sanu deixou a equipa perto da red zone, acabando Dalton por concluir o drive com um TD de 1 jarda, em corrida. Ainda tiveram direito a um calafrio, com Steve Smith a conseguir um TD mas que seria anulado por uma falta da sua equipa. Uma vitória importantíssima para os Bengals, que vinham de três jogos sem triunfos, voltando à liderança da divisão. Uma divisão onde as quatro equipas estão quase igualadas e que prometem uma luta titânica até final.

Philadelphia Eagles @ Arizona Cardinals – Ora Marcas Tu Ora Marco Eu

A imprevisibilidade deste jogo, mais um decidido à beira do fim, tornou-o num espetacular encontro entre duas equipas que apenas tinham perdido um jogo até ao momento. E foi com constantes reviravoltas que se fez a partida. Começaram os Eagles na frente, viraram os Cardinals com dois TD’s, mas os Eagles voltaram a tomar a liderança. Isto até o rookie John Brown voltar a ser decisivo e acabar com as aspirações dos de Philadelphia.

Destaque para o grande jogo de Foles e Maclin. O QB somou mais de 400 jardas de passe, dois TD’s, mas também duas interceções, enquanto o WR conseguiu 187 jardas e dois TD’s, um de 54 jardas, o que abriu o marcador.

Do lado contrário, destaque para dois TD’s longuíssimos, um de Larry Fitzgerald, de 80 jardas e o que decidiu a partida, de 75 jardas.

Graças à derrota dos Cowboys esta segunda-feira, o desaire dos Eagles não os afasta da luta pela liderança divisional. Quanto aos Cardinals, estão cada vez mais líderes, com mais duas vitórias que os rivais Seahawks e 49ers.

Detroit Lions @ Atlanta Falcons – The (Last) London Calling

Para não destoar, mais um jogo decidido sob o apito final. Depois de uma primeira parte onde os Falcons venciam por 21-0 e tudo parecia encaminhado para a vitória da formação de Atlanta, os Lions mostraram que continuam com um apetite voraz e que não baixam os braços nem em condições adversas, como aconteceu há uma semana, recuperando no último período de uma desvantagem de 13 pontos frente aos Saints.

Paulatinamente, os Lions foram-se aproximando no marcador e consumaram o golpe de teatro no último segundo do jogo, num pontapé de Matt Prater, rodeado de polémica, como bem se gosta no soccer, não tivesse este jogo sido disputado numa das maiores catedrais do futebol (com bola redonda) do mundo, o Estádio de Wembley, em Londres. Na primeira tentativa, Matt Prater falhou o pontapé. Os Falcons irromperam em festejos pelo campo, ignorando que o árbitro havia lançado a bandeira dando conta de um delay of game dos Lions. Incrédulos, os Falcons regressaram ao campo, esperando que as 5 jardas de penalização tornassem ainda mais difícil a vitória dos Lions, mas o experiente kicker, ex-Broncos, não falhou uma segunda vez e garantiu mais uma vitória à sua equipa que lidera agora isolada a NFC North. Já os Falcons vão-se arrastando de derrota em derrota, mas tal o péssimo registo da sua divisão, ainda podem sonhar com uma vitória divisional, ainda que muito improvável.

Nota apenas para a hora do jogo, às 13h30 de Londres (9h30 na costa leste e 7h30 na costa oeste dos EUA), o que permitiu aos fanáticos norte-americanos deste desporto um dia em cheio, que começou tão cedo e só terminou depois das 23h!!

Os Outros Jogos

Sem que destaquemos os jogos individualmente, uma palavra para o prolongamento em Tampa, num jogo muito equilibrado entre duas equipas que têm somado maus resultados, os Vikings e os Bucs, onde um pick six permitiu aos de Minnesota vencer a partida; bem como para a exibição monstruosa de Ben Rothlisberger, com 522 jardas de passe e 6 TD, o quarto melhor registo em passe da história da NFL num só jogo, tornando-se ainda o primeiro da história da Liga a conseguir superar as 500 jardas por duas vezes na carreira.

About The Author

João Malha

Profissional da área de comunicação e marketing, e sempre ligado ao desporto, sempre me fascinou o conceito de showbiz dos norte-americanos no que toca à promoção de qualquer espectáculo desportivo. Quando em 2003, a SportTv transmitiu pela primeira vez o Super Bowl, com estrondosa vitória dos Buccaneers de John Gruden sobre os Raiders, a curiosidade cresceu e ano após anos comecei a seguir as transmissões do maior evento desportivo mundial. Mas como em tudo na vida (pelo menos na minha forma de estar), é preciso um motivo mais forte para nos agarrarmos às coisas. Uma paixão que nos alimenta. E foi isso que aconteceu em 2010, aquando da final de Miami, ganha pelos Saints frente aos Colts do lendário Peyton Manning. Nesse dia senti finalmente que aquela era a minha equipa! E o aparecimento da ESPN America ajudou a não mais largar este desporto espectacular, que sigo semanalmente. Na Week 1 da temporada 2012/2013, cumpri o sonho de ir ver um jogo dos Saints ao vivo, ao Mercedes-Benz Superdome. Não vi os Saints vencerem, mas quem sabe se não terei a oportunidade de dizer que assisti ao primeiro jogo na NFL de um dos maiores QB’s da sua história, Robert Griffin III. Ver os Saints ao vivo foi uma experiência única que me faz olhar para o desporto com outros olhos. Quero saber mais e mais sobre o jogo, a sua história, lendas, regras, tácticas, etc. Let’s play ball!!!!