Top 5 Melhores Running Backs na Red Zone

Paulo Pereira 17 de Julho de 2015 Jogadores, NFL Comments
Marshawn Lynch

Top 5 Melhores Running Backs na Red Zone

Pese muitos diminuírem o tradicional papel de um running back, no ataque moderno na NFL, a verdade é que o jogo corrido continua a desempenhar um papel fulcral nos esquemas de ataque e alguns dos seus mais lídimos representantes figuram nos tops de melhores marcadores. Alguns, na red zone, transformaram-se em armas de destruição maciça, com os coordenadores a gizarem planos de jogo que exaltam as suas qualidades únicas. São jogadores que fogem do tradicional touchdown em goal-to-go, produzindo de forma consistente, quer em corrido ou como receivers, nas últimas 20 jardas.

Who are they?

5. Arian Foster, Houston Texans

Arian Foster

Arian Foster
Foto de Donald Miralle/Getty Images

Às vezes, torna-se fácil esquecer Arian Foster, sobretudo pelos recentes e cumulativos problemas físicos que o jogador tem padecido. Mas Foster é um corredor astuto, esquivo, capaz de se furtar aos tackles com graciosidade. Foster parece, muitas vezes, um gato gigantesco, fluido nos movimentos, ágil nas manobras, explosivo na aceleração, poderoso a correr contra os defesas, raramente se intimidando com os adversários. Possui um daqueles raros combos que o tornam produtivo quer como runner, quer como receiver. Desde que se tornou o principal running back da franquia, em 2010, leva 66 jogos realizados e 62 touchdowns. Isso diz tudo, certo?

4. Le’Veon Bell, Pittsburgh Steelers

 

Le'Veon Bell

Le'Veon Bell
Foto de Gail Burton/Associated Press

Bell tomou de assalto a liga, desde a sua entrada na competição, há dois anos atrás. É prematuro aparecer num top 5? Nem por isso. Quando um jogador apresenta a rara combinação de skills que Bell tem, estamos perante um caso único. A sua temporada espectacular em 2014 aguçou o apetite para o que aí vem. O jogador, de 23 anos (6’1’’ e 244 pounds) é ágil e possui aquela rapidez lateral que o tornam esquivo e difícil de parar. Poderoso a atacar o buraco/rota, é explosivo quando encontra espaço e escapa aos tacklers. Em 2014 foram mais de 2000 jardas totais, com 11 TDs em 15 jogos. 2015 promete ser igual, mesmo que não o vejamos em acção, na semana 1, por castigo.

3. Jamaal Charles, Kansas City Chiefs

 

Jamaal Charles

Jamaal Charles
Foto de Colin E. Braley/Associated Press

É, quando comparado a alguns dos seus pares, um running back pequeno, o que torna ainda mais surpreendente os seus feitos na red zone, onde se torna uma arma temível. Nos dois últimos anos, o back de 5’11’ e 199 pounds marcou uns abissais 33 touchdowns (21 corridos e 12 recebidos), tendo-se tornado o ponto vital em todo o esquema engendrado por Andy Reid. É previsível que, em 2015, com a entrada de Jeremy Maclin, seja menos chamado à acção, esperando-se um crescimento no até agora pobre jogo de passe, mas Charles continuará a ser uma peça fulcral no sistema ofensivo. E podem contar com ele, na red zone, como um top target.

2. Adrian Peterson, Minnesota Vikings

Adrian Peterson

Adrian Peterson
Foto de Pioneer Press, Ben Garvin

Mesmo perdendo 15 jogos na temporada anterior, depois de ter mimoseado o seu filho com um correctivo primitivo, Adrian Peterson permanece seguro na lista das principais ameaças na red zone, devido às suas skills únicas e à forma indómita como corre. O 6 vezes Pro Bowler marcou sempre, nas suas primeiras 7 temporadas, um mínimo de 10 TDs, transformando-o numa das populares escolhas dos viciados nas fantasy leagues. Como Viking, realizou até à data 104 jogos, apresentando um apreciável pecúlio de 91 touchdowns (86 corridos), mostrando ser a principal opção da franquia, no que respeita a scorings. A sua intensidade feroz na corrida obrigam os adversários a intrincados esquemas para pará-lo, coisa que é mais fácil escrever do que fazer. Brutal a punir os defensores, não se coíbe de furar a resistência junto da linha de scrimmage e é impossível de lidar num um-para-um. Com o potencial que os Vikings aparentam possuir, em termos de ataque, 2015 poderá reavivar memórias de 2013, quando ele ameaçou o recorde de jardas corridas numa temporada. All Day está de volta. Be afraid…

1. Marshawn Lynch, Seattle Seahawks

Marshawn Lynch

Marshawn Lynch
Foto de AP Photo/Kevin P. Casey

É irónico ver Lynch no topo da lista e, ao mesmo tempo, recordar o fatídico desenlace do último Super Bowl, com a franquia de Seattle à beira da glória da conquista de novo título, numa situação de goal-to-go e o game plan a “esquecer-se” das potencialidades do running back. O desfecho, já dissecado ad nauseum na imprensa desportiva, apontou o dedo a Pete Carroll e à opção por uma jogada de passe. Indirectamente, o que se pretendeu dizer e escrever é que, com uma “commodity” como Lynch, não usá-lo é como dar um tiro no próprio pé. Com a renovação contratual finalmente acertada, Lynch tem tudo para brilhar novamente em 2015. O seu estilo inconfundível de correr, que lhe granjeou a alcunha de Beast Mode, é elucidativo. O running back marcou sempre, nos últimos 4 anos, um mínimo de 12 TDs (máximo de carreira, obtido no ano passado, de 17), provando igualmente o seu instinto assassino na red zone. Com provadas qualidades como receiver, quando usado fora do backfield, Lynch tem ainda para se vangloriar 4 épocas consecutivas com mais de 1200 jardas corridas. Será difícil destroná-lo do 1º lugar, nos tempos mais próximos, mas será interessante ver o duelo particular com AP, em 2015.

Artigo inspirado no original de Bucky Brooks | NFL Media Analist

About The Author

Paulo Pereira

O meu epitáfio, um dia mais tarde, poderá dizer: “aqui jaz Paulo Pereira, junkie em futebol americano”. A realidade é mesmo essa. Sou viciado. Renascido em 2008, quando por mero acaso apanhei o Super Bowl dos Steelers/Cardinals, fiz um reset em [quase] todos os meus dogmas. Aquele desporto estranho, jogado de capacete, entranhou-se no meu ADN, assumindo-se como parte integrante da minha personalidade. Adepto dos Vikings por gostar, simplesmente, de jogadores que desafiam os limites. Brett Favre entra nessa categoria: A de MITO.